Total de visualizações de página

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Belo e frágil

Todos os dias venho pensando assim: belo e frágil.
as emoções
a vida humana
as relações
a beleza
para mim tudo é belo e frágil.

A vida verdadeira  se assemelha a um passarinho na chuva. Belo, frágil e verdadeiro, real, vive com o que têm, tem sol, é sol, tem chuva é chuva, tem galho, galho, fio, fio. Tem pão é farelo, se não tem vai semente, tem doce e amarga. Se tem tem, se não tem se vira com o que tem, isto é a verdade do ser humano. 


Por isso que hoje isso aqui está cheio de passarinho. É bichinho, sou eu e você.

De novo



É que o sonho mexeu comigo, vou deixar o resto dele aqui.


Paredes bonitas e de altura imponente sobem três lindos pavimentos. 
Lindos e sem vigas, bonito frágil.
Logo abaixo uma casa, quebrada, com o lado esquerdo desmoronado. 
Fortes toras de madeira me dividem, são árvores mortas, madeiras sem raiz, sem folhas, sem voz.
Uma boa aparência dói, machuca e reparte.
verdade, diz a casa debaixo,  é que tudo que faço, faço pelo medo de ficar só.

TPM




Hoje, diferente de outros dias estou meio melancólica. Me atendo com minha solidão. O sorriso não tem, acabou por hora.

Uso muita vírgula mas penso que ponto é melhor, gosto de quem usa ponto e escreve uma frasesinha bem pequena, acho legal. 

Hoje deixei minha coluna envergar e ficar ao computador feito uma velha, coxa murcha e corcunda grande. 

Tenho medo de deixar Deus de lado porque hoje estou tão introspectiva. 
Não deixo Deus nunca, sem ele me resumo a cinzas, é ele que me pinta vida e cor. 

Hoje tenho cor, tenho sim, colorida sim. 



Reflexos de um sonho noturno


Esta noite tive um sonho, e na qualidade de psicóloga mergulhei em mim. 
Era uma casa grande, de três pavimentos,  com paredes de pedra, toda imponente e bonita, me estranhou o fato de ser tão grande e sem vigas, estruturas essenciais para uma construção como esta. 
Quem segurava tudo era a casa de baixo, que já existia, muito antes da casa de cima ser construída.

Entre elas madeiras mortas que simplesmente não faziam nenhum contato entre a dificuldade da casa de baixo, e a imponência da casa de cima. 

Questões pessoais a parte, basta dizer que eu sou tudo isto, e que me sinto sozinha, e em falta, meu lado esquerdo está desmoronado, e somente com o direito tenho segurado toda esta aparência, faltam vigas de concreto e ferro. 

Escondo minha fraqueza na sua. A verdade é que me sinto sozinha, e isso é insuportável.





quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A perspectiva da Entrega



Podemos ver a vida de várias perspectivas. Frases, temas, valores nos dão a direção de como e para onde caminhar. 

Hoje umas destas perspectivas vem se enraizando em meu ser, é a perspectiva da Entrega.

Eu posso pensar que o mundo precisa de mim, não no sentido de que sem mim os outros não vivem, mas no sentido de que se eu fizer algo de sincero e maduro, eu preciso entregar isto ao mundo, porque pode ajudar alguém, afinal de contas viver não é fácil!

De todo modo o importante é que o  nosso melhor chegue ao próximo. 
Se eu faço alguma coisa com muita dedicação provavelmente servirá a alguém, então não podemos guardar, deixar escondido, e sim entregar!


Tempo de semear - Sonhos



Estou em fase de plantio. Todos os dias abro a terra e planto sementes. Analiso o terreno, planejo as  os lugares, e na imaginação já vejo  tudo crescido, sonho um pouco mais e volto a plantar.

Adubo, rego, e espero crescer. 
Sabe aquela ansiedade pós semeadura, que você quer ver o brotinho logo aparecer, e toda hora quer ir ver se já nasceu alguma coisa? Pois é, estou assim.

Plantando um sonho...Nós nunca sabemos se vai nascer exatamente como imaginamos! 

Sigo deste modo plantando, regando e esperando nascer. 

Às vezes surge um pequeno broto, e eu já fico toda feliz!
Amo cada broto, e quero que ele vingue, que cresça firme e forte. 

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Verão com Seu Fernando



Acabo de descobrir que é legal escrever sobre as pessoas. 


Enfim, seu Fernando é meu vizinho, eu gosto dele porque ele é muito diferente. 
Ele teve problemas em sua vida, parece que foi obrigado a deixar a profissão por questão de dependência química. Bom, atualmente ele fuma e toma sol todas as manhãs embaixo da minha janela (mesmo que a praia fique a 1 km do prédio).

Então ele fica de manhã na área externa do prédio, que é bem grande com muitos moradores, e dá bom dia a todos, dizendo às mulheres "muito bom dia madame", "bom dia princesa" "bom dia princeso" às vezes conta uma piada e faz elogios a toda e qualquer mulher que passe. 

Ele oferece livros ao meu esposo, e leva café para meu vizinho que é médico, outro figura. 
Veste-se de jeito estranho, com as calças lá pela cintura, sem camisa, o corpo está encurvado e flácido, e infelizmente seus dentes se foram,  mas enfim, é o Seu Fernando. 

Com seus cumprimentos e brincadeiras faz o condomínio ser um lugar melhor de se morar. 

Valeu Seu Fernando, mesmo que e apesar dos pesares, você realiza algo de novo todos os dias!

É pena que estejamos no inverno e o sol tenha se escondido, estou sentindo sua falta!

Um dia vou reler este texto e me lembrar dele com alegria!